Leis Ordinárias (1980 a 1960) - 5.989 - Vade Mecum On-line

Leis Ordinárias




Leis Ordinárias - 5.989 - Dispõe sobre o Fundo Aeroviário e dá outras providências.




×Conteúdo atualizado em 21/02/2021. Clique Aqui para atualizar agora!
L5989

Presidência da República
Casa Civil
Subchefia para Assuntos Jurídicos

LEI No 5.989, DE 17 DE DEZEMBRO DE 1973.

Dispõe sobre o Fundo Aeroviário e dá outras providências.

       O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

       Art. 1º O Fundo Aeroviário, criado pelo Decreto-lei nº 270, de 28 de fevereiro de 1967, é um Fundo de natureza contábil, destinada a prover recursos financeiros para execução e manutenção do que prevê o Sistema Aeroviário Nacional, podendo ser aplicado em projetos, construção, manutenção, operação e na administração de instalações e serviços da infra-estrutura aeronáutica.

        Art. 2º Constituem receitas do Fundo Aeroviário:

        I - quota do Imposto Único sobre Lubrificantes e Combustíveis Líquidos e Gasosos, destinada ao Ministério da Aeronáutica pela legislação em vigor;

       II - produto da arrecadação das tarifas aeroportuárias cobradas nos aeroportos diretamente administrados pelo Ministério da Aeronáutica, bem como da correção monetária e dos juros de mora decorrentes do atraso no pagamento das mesmas;                     (Vide Medida Provisória nº 269, de 2005)                      (Revogado pela Lei nº 11.292, de 2006)
        III - produto da arrecadação das tarifas de uso das comunicações e dos auxílios à navegação aérea em rota, proporcionados pelo Ministério da Aeronáutica, bem como da correção monetária e dos juros de mora decorrentes do atraso no pagamento das mesmas;                 (Vide Medida Provisória nº 269, de 2005)                     (Revogado pela Lei nº 11.292, de 2006)
        IV - receitas provenientes da cobrança de preços específicos, pelo uso de áreas, edifícios, instalações, equipamentos facilidades e serviços, não abrangidos pelas tarifas aeroportuárias, nas áréas civis dos aeroportos diretamente administrados pelo Ministério da Aeronáutica, bem como de multas contratuais;                      (Vide Medida Provisória nº 269, de 2005)                    (Revogado pela Lei nº 11.292, de 2006)

        V - verbas orçamentárias créditos adicionais e recursos internacionais;

        VI - multas aplicadas na forma prevista no Código Brasileiro do Ar;

        VII - receitas provenientes da cobrança de emolumentos relativos aos atos do Registro Aeronáutico Brasileiro e de indenizações de despesas referentes a lincenças, certificados, certidões, vistorias, homologações e atividades correlatas de Aviação Civil;

        VIII - rendimentos líquidos das operações do próprio Fundo;

        IX - quaisquer outros recursos que lhe forem expressamente atribuidos.

        Art. 3º O Fundo Aeroviário será administrado pelo Ministro da Aeronáutica.

        Parágrafo único. O Ministro da Aeronáutica destinará da quota do Imposto Único sobre Lubrificantes e Combustíveis Líquidos e Gasosos de que trata o item I do artigo anterior, recursos financeiros para investimentos nos aeroportos, instalações, áreas e serviços correlatos ou afins, atribuídos às entidades da Administração Federal Indireta, especialmente constituídas para aquelas finalidades.

        Art. 4º Os recursos de que trata o artigo 2º desta Lei serão depositados no Banco do Brasil S.A., à conta e ordem do Ministro da Aeronáutica, para crédito do Fundo Aeroviário e terão caráter rotativo.

        Parágrafo único. Os saldos verificados no fim de cada exercício financeiro serão automaticamente transferidos para o exercício seguinte, a crédito do citado Fundo.

        Art. 5º A escrituração do Fundo Aeroviário obedecerá às normas gerais estabelecidas pelo Governo sobre contabilidade e auditoria.

        Parágrafo único. Os recursos do referido Fundo serão contabilizados distintamente, segundo a sua natureza.

        Art. 6º O Poder Executivo, por proposta do Ministério da Aeronáutica, baixará no prazo de sessenta dias, a contar da vigência desta Lei, a regulamentação que se fizer necessária à sua execução.

        Art. 7º Esta Lei entrará em vigor na data de sua publicação, revogados os artigos 2º, 3º, 4º e 5º, e seu parágrafo único do Decreto-lei nº 270 de 28 de fevereiro de 1967, e demais disposições em contrário.

        Brasília, 17 de dezembro de 1973; 152º da Independência e 85º da República.

EMÍLIO G. MÉDICI
Antônio Delfim Netto
J. Araripe Macêdo

Este texto não substitui o publicado no DOU de 19.12.1973

*

 

 

 

 

 

 


Conteudo atualizado em 21/02/2021