Decretos (2004) - 5.199, de 30.8.2004 - Vade Mecum On-line
MEU VADE MECUM ONLINE | PARCEIRO: MG|RJ|ES

Decretos




Decretos - 5.199, de 30.8.2004 - 5.199, de 30.8.2004 Publicado no DOU de 31.8.2004 Regulamenta a Lei nº 10.748, de 22 de outubro de 2003, que cria o Programa Nacional de Estímulo ao Primeiro Emprego para os Jovens-PNPE, e dá outras providências.




D5199

Presidência da República
Casa Civil
Subchefia para Assuntos Jurídicos

DECRETO Nº 5.199 DE 30 DE AGOSTO DE 2004.

Revogado pelo Decreto nº 6.629, de 2008

Texto para impressão

Regulamenta a Lei no 10.748, de 22 de outubro de 2003, que cria o Programa Nacional de Estímulo ao Primeiro Emprego para os Jovens - PNPE, e dá outras providências.

        O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, alínea "a", da Constituição, e tendo em vista o disposto na Lei no 10.748, de 22 de outubro de 2003,

        DECRETA:

        Art. 1o  Este Decreto regulamenta a Lei no 10.748, de 22 de outubro de 2003, que cria o Programa Nacional de Estímulo ao Primeiro Emprego para os Jovens - PNPE, e dá outras providências.

        Art. 2o  O monitoramento da movimentação no quadro de empregados da empresa que aderir ao PNPE, a que se refere o art. 6o da Lei no 10.748, de 2003, será efetuado bimestralmente pelo Ministério do Trabalho e Emprego com o objetivo de evitar a substituição de trabalhadores ativos por jovens participantes do PNPE, nos termos deste Decreto.

        § 1o  A movimentação no quadro de empregados será calculada para a empresa analisada e para o setor de atividade econômica declarado pela empresa no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados - CAGED, segundo a Classificação Nacional de Atividade Econômica - CNAE e segundo o Estado em que ela estiver sediada.

        § 2o Para fins de análise setorial será considerada a divisão da CNAE.

        § 3o  O cálculo da movimentação no quadro de empregados a fim de verificar a substituição de trabalhadores ativos por jovens do PNPE será expresso por meio da taxa de substituição resultante da razão entre o número de jovens admitidos pelo PNPE em uma empresa e a quantidade de trabalhadores demitidos pela empresa.

        § 4o  Quando a movimentação no quadro de empregados da empresa apresentar-se fora dos limites estabelecidos para o setor de atividade econômica, determinados em Portaria do Ministério do Trabalho e Emprego, será acionada a fiscalização do Trabalho, por intermédio das Delegacias Regionais do Trabalho, para averiguar se a empresa está substituindo empregados ativos por jovens do PNPE.

        § 5o  Caso seja comprovada a substituição de empregados ativos por jovens do PNPE, será cancelada a adesão da empresa ao PNPE, deixando de fazer jus, a partir da data do cancelamento, à subvenção de que trata o art. 5o da Lei no 10.748, de 2003.

        Art. 3o  A concessão da subvenção econômica prevista no art. 5o da Lei no 10.748, de 2003., fica condicionada:

        I - à apresentação de comprovante de matrícula e da freqüência escolar do jovem, por meio de atestados mensais de freqüência emitidos pelo estabelecimento de ensino; ou

        II - à apresentação de cópia do certificado de conclusão do ensino médio.

        § 1o  As empresas que aderirem ao PNPE manterão sob sua guarda a documentação a que se refere o caput.

        § 2o  As empresas que aderirem ao PNPE terão prazo de até noventa dias após a data de contratação do jovem para a disponibilização dos documentos a que se refere o caput.

        § 3o  Caberá à fiscalização do Ministério do Trabalho e Emprego, por intermédio das Delegacias Regionais do Trabalho, a observância do cumprimento do disposto neste artigo.

        Art. 4o  O Conselho Consultivo do Programa Nacional de Estímulo ao Primeiro Emprego para os Jovens - CCPNPE, órgão colegiado de caráter consultivo, vinculado ao Ministério do Trabalho e Emprego, previsto pelo art. 3o da Lei no 10.748, de 2003, tem por finalidade propor diretrizes e critérios para a implementação do PNPE e acompanhar a sua execução:

        Art. 5o Ao CCPNPE compete:

        I - propor diretrizes, instrumentos, normas e prioridades para a implementação do PNPE;

        II - acompanhar a execução do PNPE e recomendar as providências necessárias ao cumprimento dos seus objetivos;

        III - manifestar-se previamente sobre a seleção de instituições a que se refere o art. 3o-A, § 2o, da Lei no 9.608, de 18 de fevereiro de 1998;

        IV - receber, examinar e encaminhar aos órgãos competentes denúncias de irregularidade relativas à execução do PNPE ou do auxílio financeiro a que se refere a Lei no 9.608, de 1998; e

        V - acompanhar a evolução da movimentação no quadro de empregados das empresas que aderirem ao PNPE e dos setores de atividade econômica a que elas pertencem, com vistas a subsidiar a aplicação do disposto no art. 2o deste Decreto.

        Art. 6o O CCPNPE terá a seguinte composição:

        I - três representantes do Ministério do Trabalho e Emprego;

        II - um representante de cada órgão a seguir indicado:

        a) Ministério da Educação;

        b) Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome;

        c) Ministério da Cultura;

        d) Ministério do Desenvolvimento Agrário;

        e) Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão;

        f) Ministério dos Esportes;

        g) Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior;

        h) Secretaria-Geral da Presidência da República;

        i) Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial;

        j) Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres;

        III - dois representantes dos trabalhadores;

        IV - dois representantes dos empregadores; e

        V - quatro cidadãos brasileiros, e respectivos suplentes, maiores de idade, de ilibada conduta e reconhecida liderança e representatividade, designados pelo Ministro de Estado do Trabalho e Emprego, para mandato de um ano, podendo ser reconduzidos.

        § 1o  Os representantes referidos nos incisos I e II, e respectivos suplentes, serão indicados pelos titulares dos órgãos representados.

        § 2o  Os representantes referidos no inciso III, e respectivos suplentes, serão indicados pela Central Única dos Trabalhadores e pela Força Sindical;

        § 3o  Os representantes referidos no inciso IV, e seus respectivos suplentes, serão indicados, em regime de alternância, pelas respectivas Confederações Nacionais:

        I - do Comércio;

        II - da Indústria;

        III - dos Transportes;

        IV - da Agricultura; e

        V - das Instituições Financeiras.

        § 4o  Os membros do CCPNPE serão designados pelo Ministro de Estado do Trabalho e Emprego.

        § 5o  Inclui-se entre os representantes do Ministério do Trabalho e Emprego o seu Secretario Executivo, que presidirá o CCPNPE.

        § 6o  Os representantes dos órgãos não-governamentais terão mandato de um ano, permitida uma recondução.

        § 7o  Poderão ser convidados a participar das reuniões do CCCPNPE, sem direito a voto, a juízo do Presidente do Conselho, personalidades e representantes de órgãos e entidades públicas e privadas, inclusive organismos internacionais, bem como outros técnicos sempre que da pauta constar temas de sua área de atuação.

        Art. 7o  O CCPNPE poderá instituir grupos de trabalho, em caráter temporário, para analisar matérias sob sua apreciação, bem como propor medidas específicas.

        Art. 8o  Ao Ministério do Trabalho e Emprego caberá prover apoio técnico-administrativo e os meios necessários à execução dos trabalhos do CCPNPE e seus grupos de trabalhos.

        Art. 9o  O CCPNPE deverá apresentar proposta de regimento interno ao Ministro de Estado do Trabalho e Emprego em até noventa dias, a contar da data de sua instalação.

        Art. 10.  Caberá às instituições representadas o custeio das despesas com deslocamento, alimentação e pousada de seus representantes.

        Art. 11.  Em casos excepcionais e devidamente justificados, as despesas de que trata o art.10 deste Decreto poderão ser autorizadas pelo Presidente do Conselho, desde que o pagamento seja a título de colaborador eventual, à conta de recursos do Ministério do Trabalho e Emprego.

        Art. 12.  A participação no CCPNPE será considerada prestação de serviço relevante e não remunerada.

        Art. 13.  Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.

        Brasília, 30 de agosto de 2004; 183o da Independência e 116o da República.

LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
Ricardo José Ribeiro Berzoini

Este texto não substitui o publicado no D.O.U. de 31.8.2004