Artigo 9 - Leis Ordinárias (2011) - 12.453, de 21.7.2011 - Vade Mecum On-line

Leis Ordinárias




Leis Ordinárias - 12.453, de 21.7.2011 - Constitui fonte de recursos adicional ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES; altera as Leis nos 12.096, de 24 de novembro de 2009; 12.409, de 25 de maio de 2011, 10.841, de 18 de fevereiro de 2004, e 12.101, de 27 de novembro de 2009; dispõe sobre medidas de suspensão tempo




Artigo 9



Art. 9o  Os arts. 4o, 5o, 6o e 8o da Lei nº 12.101, de 27 de novembro de 2009, passam a vigorar com a seguinte redação: 

Art. 4o  .............................................................................................................................................................................

.......................................................................................................................................................................................

III - comprovar, anualmente, da forma regulamentada pelo Ministério da Saúde, a prestação dos serviços de que trata o inciso II, com base nas internações e nos atendimentos ambulatoriais realizados.

...............................................................................................................................................................................” (NR) 

Art. 5o  ........................................................................................................................................................................... 

Parágrafo único.  A entidade deverá manter o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde - CNES atualizado, de acordo com a forma e o prazo determinado pelo Ministério da Saúde.” (NR) 

“Art. 6o  A entidade de saúde que presta serviços exclusivamente na área ambulatorial deverá observar o disposto nos incisos I e II do art. 4o, comprovando, anualmente, a prestação dos serviços no percentual mínimo de 60% (sessenta por cento).” (NR) 

“Art. 8o  Não havendo interesse de contratação pelo Gestor local do SUS dos serviços de saúde ofertados pela entidade no percentual mínimo a que se refere o inciso II do art. 4o, a entidade deverá comprovar a aplicação de percentual da sua receita em gratuidade na área da saúde, da seguinte forma:

.......................................................................................................................................................................................... 

§ 2o  A receita prevista no caput será a efetivamente recebida da prestação de serviços  de saúde.” (NR)